quarta-feira, abril 29

David Byrne, Lisboa 28.04.09

Foto:Filipe Lagarde Arraiano

Estava possuída por uma preguiça que quase me atirou para o canto e quase me fez rejeitar as solicitações para me deslocar a Lisboa, ver o jogo do Barça no Clube do Barcelona, aviar uma tosta maravilhosa e finalizar com o David a cantar para mim … e mais um coliseu cheio, cheio, cheio!

Com uma mão cheia das canções apresentadas no Coliseu dos Recreios, Byrne entusiasmou a plateia com um espectáculo cheio de ritmo. A plateia era sentadinha como manda a idade do pessoal fã do Byrne (xiiiiii como tu estás Carlos Jorge!), mas a verdade é que na 2ª música já se levantavam uns 20% a querer mexer com o ritmo na 3ª música já eram mais de 50% e na 4ª já se chegavam ao palco libertando-se de cerimónias até acabar toda a plateia de pé e a dançar. Inevitavelmente a dançar.


O escocês esteve acompanhado em palco pela sua banda e por três dançarinos que refrescam indiscutivelmente o conceito do típico concerto de pop rock. Várias coreografias animaram grande parte dos temas e David Byrne entrou mesmo em algumas delas, empunhando a sua Fender branca deu cartas aos que dizem que o Sr. já padece que alguns cansaços da idade, já conta com 52 anos … nada disso. Muito, muito, muito bom!

Apresentaram-se todos de branco (vranquinho…!) e sendo a digresssão para apresentar o novo trabalho «Everything That Happens Will Happen Today», a verdade é que foram as passagens pelo trabalho nos Talking Heads que, sem surpresas, contagiaram todo o publico.

«Heaven», «Once In A Lifetime» e «Life During Wartime» - todas elas dos Talking Heads - constituíram os momentos mais altos antes da primeira despedida.
O encore … pois se no ultimo espectáculo que vi (sisters of mercy) não houve encore para ninguém (o que não acho puto de graça!!!), desta feita David Byrne regressou ao palco por três vezes! Três encores carregados de entusiasmo todos a acompanhar, sim é verdade, saí satisfeitinha com o espectáculo!

Dei por mim a fazer a viagem para casa a trautear “take me to the river…”






2 comentários:

joão amaro correia disse...

só foi pena ter falhado o naïve melody. essa maravilhosa canção.

j

Cristiana disse...

João,
É uma verdade, não cantou naïve melody, mas é uma verdade contornavél pelo excelente espetaculo que foi!! Ou não??

Eu gostei muito!

Para mim o auge foi com "Take me to the river", bom mas esta música é especial para mim... muito especial!

Bjs