sábado, outubro 11

Nunca me fez alguma espécie de confusão existirem pessoas que se relacionam sexualmente com outras do mesmo sexo.
Tenho uma opinião muito própria, é “contra natura” ponto final, agora se é uma opção, inclinação, atracção, já ouvi diferentes versões inclusive dos próprios.
Esta semana andou em discussão o casamento entre homossexuais. Fizeram-se debates, artigos de opinião e até casamentos simbólicos. Tudo na esperança que se alterasse a lei e que o casamento deixasse de ser um contrato entre duas pessoas de sexo diferente com o propósito de constituírem família.
Bem, na verdade o tão almejado direito à diferença dos homossexuais encontra-se aqui nitidamente invertido. Querem ser iguais. É certo que Portugal é uma democracia e como tal as minorias devem ser respeitadas, mas será que isso quer dizer que seria só mudar a lei e mudar-se-iam mentalidades? Acho que não. Resta-lhes a fragilidade da consagração legal das uniões de facto.
Certo, é que temos que pensar o que vamos fazer quando outras minorias, como por exemplo, os defensores da poligamia a quiserem ver reconhecida legalmente.

6 comentários:

Eduarda disse...

essa da poligamia havia de ser bonito ... se eles/elas se queixam quando é só uma/um imaginem 2 ou 3 ... tenham juizinho!

Cristiana disse...

ahhhh havia de ser bonito havia era desta que estava montado o CIRCO... e eu que gosto tanto de CIRCO !... hihihih
E um CIRCOzinho em chamas!?

Mónica disse...

"nunca me fez alguma espécie" soa a "nunca me fez nenhuma espécie" mas em contra natura

Isabel disse...

Pois.... se procurares bem no dicionário "alguma" e "nenhuma" igual a "qualquer" mas como te soa a (.....) entende como quiseres, tás no teu direito.

Paulo Agante disse...

Nunca me tinha lembrado dessa, mas viva o movimento pelos direitos dos defensores da poligamia :)
Quanto aos casamentos homossexuais, qual e o problema disso? Com ou sem casamento, eles ja vivem mesmo em uniao!
Mas agora, alguem tem o direito de decidir como devem viver os outros? Desde que nao me incomodem!

Anónimo disse...

E qual é o problema da poligamia ser reconhecida legalmente? Faz alguma espécie de confusão?