terça-feira, junho 24

Quando vejo (todos os dias!) o folclore que ocorre diariamente com os primitivos povos do Médio Oriente pergunto-me:
Mas esta gente ainda está em que século?
Uma bomba rebenta aqui outra ali e meia dúzia de mortos e mais meia dúzia a carpir, braços no ar…
Tem uns rituais que tem tudo de primitivo, aquelas cabeças estão definitivamente alguns séculos atrás! Mas não evoluíram? Não! De todo!
Tenho para mim que lá para o tempo da Padeirinha de Aljubarrota em Portugal também era assim, ok sem bombas, o poder bélico era ao nível da pázada nas fuças, mas também devia ser o cenário que vejo agora lá para os lados do Médio Oriente. Meia dúzia com pázadas nos cornos, meia dúzia a carpir …a história repete-se, diz até que se repete sempre. É isto que me leva a pensar que tem lógica, repete-se mas tem de ser em sítios diferentes senão não era repetição era sobreposição!

Embora muitas vezes eu própria sinta que ficava mais aliviada se agarrasse numa pá e desatasse para ai a aviar pázada, reconheço que a coisa é mais selecta se o poder bélico estiver na ponta da língua … uma língua afiadinha é mais limpa que uma pá do forno, nem é preciso sacudir o pó!

This is the reason why Middle East is in deep shit ...

2 comentários:

Eduarda disse...

Sabes qual é o estado da (minha) nação não sabes?? nem vou comentar... capaz de desancar de tal forma que nao me admirava de receber uma queixa por maus tratos fisicos ... e até morais...

mas estou capaz mas capaz...

(coisas das ***netes)

Major Alvega disse...

Caríssima ...

Permita-me contradizê-la !!!

Aquilo não é um folclore, é uma Birra! Uma birra entre adolescentes e Anciãos.

Senão Vejamos:

Temos os Anciãos: os Judeus
e os "teenagers": os Árabes.

E de mal a pior, o busílis da questão é mesmo a língua, que de tão parecida é que quanto mais afiadinha for pior fornada sai.

Ora é pô-los aos dois a falar lado a lado, e uma palavrita menos bem pronunciada redonda logo em insultos à mãe alheia e depois dá nisto.

O conceito de evolução naquelas Bandas, segue a traça das Obras de Santa Engrácia. O que também não é mau, pois, com tanta gente a ir enterrar, quando finalmente aderirem à Democracia e às Economias de Mercado, naquelas bandas ... combustível fóssil é que não vai faltar ...

Hajam 3.000.000 de anos até lá!!!

E que desta vez a história se sobreponha, porque Nun'Alvares só existiu um.

Como o resto do comentário é alusivo ao "planisfério" em apreço, e o Blog não tem bolinha vermelha, aposto-lhe o lápis azul da censura e aguardo com expectativa mais um oportuno "post" da Caríssima.


Shalom!
Salam Aleikum